sexta-feira, 13 de abril de 2012

PMDB terá candidatos em 115 municípios do Pará


PMDB terá candidatos em 115 municípios do Pará (Foto: Everaldo Nascimento)
(Foto: Everaldo Nascimento)
O PMDB possui hoje 1.154 prefeituras em todo o país e pretende elevar esse número para 1.300 no pleito de outubro. Desse total, a meta é eleger pelo menos 115 prefeitos no Pará, mantendo a legenda no topo, como maior partido do Brasil e do Pará.
A largada no Estado foi feita ontem em um grande evento realizado no Maison Pommed’or para cerca de mil pessoas, onde o presidente nacional da legenda, Valdir Raupp, junto com a direção estadual, lançou as 115 pré-candidaturas, tendo o abre-alas a candidatura do deputado federal José Priante a prefeito de Belém, prioridade “zero” do PMDB esse ano.

Raupp lembra que Belém foi a primeira capital que visitou para lançar uma pré-candidatura. “Temos 1.154 prefeitos, 900 vice-prefeitos e 8.500 vereadores, além de 170 deputados estaduais, 78 federais e 21 senadores. Somos disparado o maior partido desse país e estamos nos preparando para aumentar ainda mais esses números, começando aqui pelo Pará. Nossa meta e eleger de oito a 10 prefeitos de capital, estabelecendo mais um recorde”.
Raupp Lembra que o PMDB tem sido parceiro importante dos últimos governos da República, ajudando no desenvolvimento do país. “Não é à toa que temos hoje o vice-presidente da República, a maior bancada no Senado Federal, a segunda maior bancada na Câmara Federal, ajudando sempre nos projetos de interesse da nossa população. Temos 46 anos de história e somos o partido mais antigo do Brasil, mas que a cada ano se renova, como ocorrerá com essa próxima eleição”.
O senador Jader Barbalho, presidente do diretório estadual do PMDB, lembra que o partido está pronto e organizado em todo o Estado para a disputa e para vencer. Ele ressaltou a união e demonstração de entusiasmo das lideranças peemedebistas.
“Dentro de um Estado continental como o nosso, é revigorante ver companheiros de Faro, na divisa com o Amazonas; e de Santana do Araguaia, na divisa com o Mato Grosso, estarem aqui nesse evento partidário. Isso mostra compromisso e vontade de vencer”.
APOIOS
Além de ser um quadro qualificado, Jader diz que a candidatura de Priante pode unir, trazendo para a cidade os apoios do governo federal e do estadual, “já que nosso partido é aliado das duas esferas. Faremos a grande administração que Belém precisa. Belém não pode errar novamente”.
Helder Barbalho, prefeito de Ananindeua, lembra que o PMDB completou essa semana 46 anos e se confunde com a história do país e da redemocratização do Brasil. “Reunimos aqui hoje (ontem) todos os nossos pré-candidatos para debater as estratégias para a eleição de outubro, para nos consolidar como maior partido do Brasil e do Pará”.
Segundo ele, o PMDB não tem preconceitos com as legendas e dialoga de acordo com as peculiaridades de cada município. “Acima de tudo, buscamos alianças que possam garantir a governabilidade e garantindo os benefícios para as cidades, e o Priante é um quadro qualificado e tem todas as condições de vencer agora e governar Belém”.
José Priante defende união de forças
Para o pré-candidato José Priante, governar a capital do Estado é seu maior desafio político. “Não resta dúvida de que sou um candidato competitivo. Na última eleição, eu fui ao segundo turno e fui derrotado pela força da máquina municipal e estadual. O PMDB irá à disputa para ganhar essa eleição”.
Para ele, o desenvolvime nto de Belém passa pela união de forças. Ele lembra que Belém tem um orçamento diminuto que não dá condições de enfrentar os graves problemas que afligem a cidade, como saúde, trânsito, transporte, saneamento, violência e educação. “Dessa forma, sem parcerias, é quase impossível ter uma gestão de sucesso”.
Nesse sentido, ele diz que a candidatura do PMDB é diferenciada e pode trazer muitos benefícios para Belém.
“Somos aliados da presidente Dilma e sou amigo pessoal do vice-presidente da República Michel Temer, além de ser parceiro do governador Jatene. Sempre esperarei pelo apoio do governador e, principalmente, o apoio dos eleitores do governador”.
O pior que pode acontecer a Belém, segundo ele, é uma gestão que seja contra o governo federal ou contra o governo do Estado. “Há ainda candidaturas contra tudo e contra todos. Nossa candidatura é nosso compromisso de construir este novo caminho para Belém, de construir pontes para resolver os problemas de Belém. O PMDB está unido na construção desse projeto”. (Diário do Pará)

Nenhum comentário:

Postar um comentário