sábado, 21 de julho de 2012

Água da Sonda volta a jorrar em Itaituba


Água da Sonda
No mês de julho Itaituba foi presenteada novamente com a água da Sonda que voltou a jorrar, embora não com a mesma intensidade de antes, mas mantendo parte de suas características de água termal quente e sulfurosa.   A notícia trouxe entusiasmo para a população que durante muitos anos fez da água da Sonda uma excelente opção de lazer.
No período em que a água foi dada como sumida, esse fato gerou polêmicas, criticas e muitas cobrança aos poderes públicos. Uma empresa na época havia sido contratada para adaptar a água da Praça do Centenário para a o chafariz da orla, mas não conseguiu realizar a contento o serviço…

Agora, com o retorno natural da água que está tendo reforço de uma bomba para chegar a superfície em maior quantidade, muitos estão esperançosos que a mesma permaneça, já que sempre foi uma referência no âmbito turístico para Itaituba.

Água volta a jorrar
FONTE MONTEIRO LOBATO OU ÁGUA DA SONDA: A Água da Sonda como é popularmente conhecida recebeu o nome oficial de “Fonte Monteiro Lobato” em homenagem ao famoso escritor paulista de Taubaté, autor de livros infantis, se tratando de um belo recurso natural de Itaituba e região.
Ela se originou de uma antiga perfuração petrolífera que ao interceptar fraturas na busca de petróleo descobriu a circulação de água minerais termais e sulfurosa. Essa perfuração foi feita pelo Serviço Geológico e Mineralógico do Brasil-SGMB (Já extinto) com coordenação técnica do pesquisador Pedro de Moura.
A perfuração do Poço (já uma preocupação dos engenheiros da Petrobrás com nossa preservação histórico-cultural) foi iniciada no dia 27 de dezembro de 1929, sendo a mesma concluída em 10 de dezembro de 1930, ficando a profundidade da fonte em 360 metros, sendo em seguida classificado pelos engenheiros da época como Sondagem nº 88.
Essa água que passou a servir de opção de lazer para Itaituba também era procurada pelos moradores como sendo de alto poder medicinal, por apresentar elevado teor dos constituintes dissolvidos, bem nítidos no local pela sua condutividade elétrica da água (2.840 US/cm), gás sulfídrico indicado pelo seu cheiro inigualável bem característico, sendo considerada uma água termal, mineral e sulfurosa, com propriedades medicinais recomendadas para tratamentos terapêuticos em face de sua temperatura e sais dissolvidos, com destaque para o H2.S.
Esses gases dissolvidos normalmente CO2 E O H2S desprendem-se na superfície por causa da diferença de pressão. Mas de acordo com os especialistas é de bom alvitre enfatizar que em caso de aproveitamento de maior intensidade para balneoterapia (banho com fins medicinais), o bombeamento da água dará maior vazão.
De acordo com resultados das análises de água, a fonte de água termo-mineral e sulfurosa de Itaituba apresenta água do tipo sódio-cloretada. A vazão desse poço jorrante na superfície do terreno é de 9,0 m3/h e sua temperatura determinada na emergência 38,1ºC, sendo classificada como água hipertermal, segundo o Código de águas do Departamento nacional de pesquisas e Mineração (DNPM).
A elevada concentração de sódio e de cloreto dessa água deixa evidente a circulação através de fraturas que atingem a formação Nova Olinda. A baixa da elevada concentração dos principais constituintes dissolvidos apresentado pelo elevado teor do resíduo seco (1.476 mg/1) e Lítio (0,596) MG/1) que confere a esta água mais propriedades inerentes as águas minerais.
Ressalta-se, entretanto, que a produção de Cloreto de sódio dessa fonte atinge o valor diário de 238, 985 KG ou 7, 169 toneladas por mês. Outros elementos raros não analisados podem também estar presentes e terem relevância econômica. Essa água termo-mineral sulfurosa constituiu um importante patrimônio turístico e medicinal para Itaituba.
Fonte: RG 15/O Impacto, Arquivo de pesquisas do Historiador Itaitubense e Nazareno Santos

Nenhum comentário:

Postar um comentário