quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Avião retorna a aeroporto após susto com passageiros armados

Avião retorna a aeroporto após susto com passageiros armados   Passageiro de Itaituba estava no voo.
  A presença de quatro policiais armados dentro de um avião causou tumulto em um voo da companhia aérea Gol no início da tarde de ontem. O voo G3 1642, que tinha como destino Manaus e com escala em Santarém, saiu de Belém às 13h54 e, após 30 minutos, retornou para o aeroporto.

O motivo foi a constatação de que três homens e uma mulher estavam armados. O que a tripulação não sabia era que os quatro passageiros eram agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF), que retornavam de Belém para Santarém. No voo viajavam 160 passageiros.


Ao perceber um volume debaixo da camisa de um dos agentes, uma das passageiras acionou a aeromoça para que a situação fosse verificada. Por medida de segurança, através de código, o piloto foi comunicado do que estava ocorrendo. Mas, por conta de problemas na comunicação entre piloto e tripulação, ele fez manobras para retornar ao aeroporto.


“Nossos agentes estavam em Belém para dar reforço na operação férias escolares e retornavam para a sua base no dia de hoje (ontem). E a Gol sabia do embarque de todos armados”, explicou a agente da PRF, Marisol Mota. Segundo ela, todas as medidas preventivas para o embarque com arma de fogo foram realizadas.

Informação essa que foi confirmada pela Polícia Federal (PF). “Após o check in ter sido feito, os agentes da PRF se encaminharam até a sala da PF para preencher o formulário obrigatório e desmuniciar as armas e, assim , poder seguir a viagem. Não entendemos por que o piloto não estava ciente”, comentou o assessor da PF, Fernando Sérgio. Assim que a aeronave pousou vários carros da PF rodearam o avião para que a situação fosse verificada. “Uma equipe entrou verificou a autorização dos agentes e os liberou”, disse.

Nervosismo

No aeroporto, familiares mostravam bastante nervosismo pela falta de informações. “Minha filha está grávida de cinco meses e com uma criança de três anos. Ela não sabe o que está acontecendo. Apenas informaram que o avião ia voltar para Belém por falta de combustível”, disse a corretora Irailde Cabral. Ela disse que conseguiu contato com a filha através de uma mensagem de celular.

Já a professora Célia Puga procurava nervosa por informações de uma sobrinha de apenas oito anos que viajava sozinha de volta para Santarém. “A mãe dela já me ligou desesperada dizendo que a filha ainda não chegou. Quando chego aqui me informam apenas que o avião teve que voltar, mas não dizem os motivos. Até agora não sei o que aconteceu com a criança. Só mandaram que eu aguardasse”, contou ela.

Por conta do desespero dentro do avião alguns passageiros precisaram de atendimento médico de urgência ainda no saguão de desembarque. Uma passageira grávida com algumas complicações de saúde teve que ser levada de cadeira de rodas para uma sala mais reservada para ser atendida.

Atrasos

Assim que a aeronave pousou no pátio, vários voos da companhia tiveram que ser atrasados e muitos nem tinham previsão de partida. “Olha como o salão está lotado. Todos os check in estão atrasados e ninguém dá uma satisfação para as pessoas”, reclamou a turismóloga, Anne Fontes. O telão de informações de voo orientavam os passageiros procurarem a companhia aérea para mais detalhes sobre os voos.

A Gol, através de nota confirmou a pane no sistema de comunicação do avião, mas não esclareceu a falta de informação aos passageiros, piloto e tripulação, quanto a presença de policiais armados no voo. A companhia aérea também informa que a aeronave foi analisada e liberada para voo, tendo acontecido sua decolagem às 17h.

Fonte: Diário do Pará

Nenhum comentário:

Postar um comentário