Deputado Federal marcado para morrer

Deputado Dudimar Paxiúba teme por sua segurança e de sua família
Um consórcio teria sido criado possivelmente por donos de garimpos e já teria arrecado R$ 200 mil pela “cabeça” do deputado federal Dudimar Paxiúba (PSDB-PA). O motivo seria a denúncia feita pelo parlamentar na tribuna da Câmara Federal em Brasília, sobre a garimpagem ilegal na região do Tapajós.
Na manhã de sábado, 17, o jornalista de Itaituba, Weliton Lima, apresentador do Programa Circuito Aberto da TV Tapajoara- SBT- canal-7, entrevistou o deputado federal Dudimar Paxiúba. Na entrevista, Dudimar falou de diversos assuntos, entre eles, a garimpagem na região e ameaças de morte.

Repercussão de seu discurso: Dudimar disse na entrevista que seu pronunciamento foi muito bem claro, sobre a garimpagem na região do Tapajós, quando denunciou a extração ilegal de Ouro na região, principalmente pelas dragas no leito do rio Tapajós e pelas PCs em áreas de preservação ambiental. Disse, ainda, que não tem nada haver com a operação ‘Eldorado’ realizada pela PF no Pará e mais 06 estados, focando a extração ilegal de ouro.
‘Irresponsável’: Essa foi a palavra usada pelo deputado Dudimar para definir algumas pessoas que teriam interpretado de forma maldosa seu discurso. Um dos nomes citado por Dudimar foi do Vereador eleito de Jacareacanga, Walter Tertulino, que estaria interpretando seu discurso de uma forma maldosa.
Suborno: Perguntado por Weliton Lima sobre uma tentativa de suborno, Dudimar Paxiuba foi enfático em sua resposta, dizendo ter recebido uma proposta de alguns garimpeiros para que o mesmo deixasse de cobrar a regularidade dos garimpos na região, ou seja, ficar de ‘boca fechada’, mas segundo ele não deu muita atenção para tal proposta, que seria de uma área onde algumas pessoas iriam trabalhar para retirar o ouro. Caso ele aceitasse, não precisaria que o parlamentar se deslocasse até ao local, bastaria mandar uma pessoa de sua confiança receber certa quantia do minério valioso.
Ameaça de morte: Segundo Dudimar, o alerta foi feito pelo comandante do 15ª Batalhão da Polícia Militar de Itaituba, coronel Julimar e pelo coronel Josafá, comandante do CPR-X. O alerta vindo dessas duas autoridades do Município teria lhe preocupado, tendo que tomar algumas precauções, uma delas solicitar uma proteção da Polícia Federal para ele e sua família, mas o pedido teria sido negado.
Dudimar disse que teme pela segurança de sua família, mas a única informação concreta sobre as ameaças foi uma gravação, onde uma pessoa pergunta, por que o Dudimar ainda esta vivo? E que estaria sendo feito um consórcio para assassiná-lo. O montante já arrecadado seria de R$ 200 mil e o serviço não seria feito no município de Itaituba e sim em uma de suas viagens a Brasília. Com informações de Junior Ribeiro.
 Por: Nazareno Santos

0 comentários:

Postar um comentário