Agentes da COMTRI pediram que as autoridades ajudem a coibir as agressões aos funcionários do órgão.  Segundo eles, Fatos desta natureza tem acontecido com freqüência em Itaituba.
 Os agentes reuniram primeiro com o prefeito e depois foram a delegacia denunciar agressões recebidas em plena via publica, durante as abordagens a condutores.  Eles pediram que este tipo de caso seja tratado com mais severidade para impedir novas ameaças aos agentes. Segundo  agente Aragão é preciso inibir os agressores para não colocar em risco a vida de quem trabalha na COMTRI.  

  O deputado  Nélio Aguiar mostrou preocupação com o atraso no inicio das obras hospital regional de Itaituba. Segundo ele, o estado já esta com recursos orçados e todo um  cronograma preparado para executar o projeto, mais Nélio criticou a demora do municipio em conseguir legalizar o terreno definido para a construção do regional.  Um terreno já foi anunciado como local escolhido, mas segundo o deputado a documentação ainda não foi repassada ao governo do estado para dar inicio ao processo.

 Os municípios paraenses estão longe de ter boa administração de suas finanças e padecem com problemas como baixo nível de investimentos, pequena arrecadação própria, dívidas roladas de um ano para o outro e elevados gastos com funcionários. Somados, esses entraves fazem com que apenas 1,8% das cidades (duas, em número absoluto) tenham uma gestão fiscal de 'excelência' e outros 8,3% sejam consideradas com 'boa' nota (oito, no total). Na outra ponta, cerca de 90% dos municípios do Estado receberam uma classificação 'difícil' ou 'crítica', segundo o Índice Firjan de Gestão Fiscal (IFGF) 2012, divulgado pela primeira vez. No geral, o Pará figura 21 vezes no rol das 500 piores gestões fiscais do País.
 O caso mais alarmante é o do município de Aveiro, em situação crítica, conceito D, com 0,1453 pontos (a pontuação varia entre 0 e 1 e quanto mais próximo de 1, melhor a gestão fiscal do município). O município ficou entre os 100 piores resultados do País, na 5237ª colocação no ranking nacional e no 109° (última posição) no ranking estadual.


 Os milhares de garimpeiros espalhados por todos os cantos do país voltam a sonhar com a conquista da aposentadoria como segurados especiais. Estima-se que existam ao todo 200 mil garimpeiros no Brasil. Pelo menos 40 mil deles estão no Pará, mais precisamente em Serra Pelada, esperando que dias melhores cheguem não só na coleta de ouro no mais famoso garimpo do mundo, mas também para garantir uma aposentadoria remunerada.