quarta-feira, 13 de março de 2013

Falta de gestão no IFPA de Itaituba prejudica alunos

IFPA de Itaituba não vem cumprindo seu papel de preparar a populaçãoO impacto - “O que era para ser um grande centro de formação de profissionais, que a população tinha uma perspectiva de melhora para a sociedade, formando profissionais para atuarem no campo trabalhista do município de Itaituba, no Oeste do Pará, trazendo transformação na vida dos alunos, hoje tem se tornado um pesadelo, tanto para pais como para alunos, pois a implantação do IFPA em Itaituba não vem cumprindo seu papel de preparar a população para a vinda das grandes empresas, nos deixando imensamente tristes e decepcionados”, expressa Luiz Sadeck, o popular Peninha, eleito vereador pelo PMDB, mas que ainda não assumiu o mandato por conta de seu processo estar tramitando em Brasília.

A falta de gestão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA) tem preocupado os pais e alunos, a reclamação é geral, inclusive a falta constante de professores tem provocado a evasão de muitos alunos, continuou o ex-edil. Quando começaram a funcionar os cursos técnicos (três) e superiores (dois) estudavam mais de 300 alunos e ao passar do tempo, com a falta de gestão a qualidade de ensino caiu muito e com isso a desistência dos alunos aumentou surpreendentemente. Hoje, funcionam 9 turmas, que deveriam ter em cada uma 40 alunos, mas com a evasão de mais de 100 alunos tem turma que possui apenas 12 alunos.
Luiz Fernando Sadeck dos Santos, 55 anos, ex-Vereador em Itaituba, com 6 mandatos, fez o desabafo: ”Sou pai de dois alunos, lamento a falta de gestão que tem causado uma grande preocupação. Tem dia que meus filhos assistem apenas uma aula. Isso é um absurdo. A falta de professores é constante. Professores entram de licença maternidade ou de férias e a direção não toma nenhuma providência em contratar substitutos”.
Outro fato, é que os professores são concursados com dedicação exclusiva, entretanto, não cumprem, pois possuem vínculo com outras empresas. Como exemplo, a professora concursada Djalmira de Sá, que é professora de Língua Portuguesa, mas possui vinculo com a Empresa FAI, poucas vezes esta professora vai à escola, segundo denunciaram os alunos. O professor Manoel Neto é concursado e coordenador do curso de Edificação, pouco aparece na escola e quando vai ao IFPA não demora muito tempo. Hoje, Neto é Secretario Municipal de Infraestrutura do Município de Itaituba, cargo que exige dedicação exclusiva, assim como no Instituto, com isso deixa a desejar no Ensino do IFPA e na gestão da Secretaria. A disciplina básica, Educação Física, desde 2012 e nem 2013 está tendo aula, por falta de professor. Outra disciplina, Desenho Técnico e Desenho Arquitetônico, a professora ficou quase seis meses sem dar aula, por se encontrar de licença e a Instituição sem nenhum compromisso com nossos filhos se preocupou de contratar substituto para o período de licença da titular da disciplina.
“Estes problemas têm causado constrangimentos aos alunos que pedem transferência para outras escolas, tendo que voltar para primeiro ano, já que as escolas não aceitam alunos vindos da IFPA por conta de pendências de disciplinas não administradas ou ministradas pela metade, como é caso da disciplina de Física”, ressalta a enfermeira Ângela Maria Costa Braga, que tem uma filha estudando no IFPA. “Minha filha está sendo obrigada a estudar em outra escola para aprender e se preparar para fazer o vestibular. O que observo é que estão brincando de fazer educação no IFPA de Itaituba e nós, os pais, estamos aceitando calados, sendo omissos com o que vem acontecendo com nossos filhos”, concluiu a enfermeira.
A questão afeta todos os cursos do IFPA. O curso de Análise e Sistema, curso superior, por exemplo, era para ser concluído em três anos, no caso este ano, mas por falta de professores o curso vai se prolongar por mais um ano. Para o aluno Márcio Mendes, 33 anos, do curso de Análise e Sistema, a falta de professores é constante. Disse que desde quando começou o curso, nunca teve uma aula de Contabilidade, Economia e Informática na Sociedade, porque não tem professores dessas disciplinas. Márcio é aluno do curso de Análise e Sistema na parte da tarde e está revoltado, pois esperava concluir seu curso este ano e afirmou que entre os professores que mais faltam na escola, é a professora Djalmira de Sá. Ele e outros alunos estão elaborando um documento para entrar no Ministério Público pedindo providências.
Fonte: RG 15/O Impacto

Um comentário:

  1. Será que o problema do IFPA de Itaituba sou eu?
    Será que a minha saída resolve o problema do Peninha, da família dele e do IF ? Se eu sou uma professora tão ruim, por que o IFPA me dá o maior número de aulas? Por que, como e através de quem o ex-edil atual desempregado selecionou justamente o meu nome?Será que deram emprego para ele na direção de ensino ou no registro acadêmico? A serviço de quem ele está. Leiam meu curriculum lattes na internet: sou mestra e doutora em Letras; sou aposentada da Universidade de Londrina como professora Adjunta V; passei no concurso do IFPA em 2010. Em 2003 criei a FAI junto com a minha família. Sou Pesquisadora Institucional da FAI e avaliadora colaboradora em regime esporadico do INEP/MEC para dar informações e receber sobre as IES com problemas na avaliação. Sou escritora e atualmente, estou com projeto de pós doutorado em Lisboa -Portugal.E tudo isto sem favor político, tudo por concurso público.

    ResponderExcluir