sexta-feira, 14 de junho de 2013

Operações tentam combater o desmatamento no oeste do Pará

Operações tentam combater o desmatamento no oeste do Pará
Tora que seria carregada da Flona de Altamira

Região - O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama) vem intensificando ações de fiscalização na região de Novo Progresso, que inclui o sul de Itaituba e Altamira, no oeste paraense. Na última quarta-feira (12), 46 agentes do Ibama, 60 homens do Exército Brasileiro, 10 da Força Nacional, oito da Policia Militar do Pará e dois do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) chegaram à localidade, e deverão atuar em conjunto com a Operação Onda Verde, já em campo no Pará desde fevereiro.

O reforço no efetivo se soma a mais de uma dezena de agentes da Onda Verde em atuação. Coordenado pelo Ibama, o novo efetivo será envolvido, principalmente, na montagem de duas bases fixas de fiscalização em áreas críticas de desmatamento: uma em Trairão e outra em Castelo dos Sonhos, distrito de Altamira, no sudoeste paraense, com objetivo de reprimir novas derrubadas nas florestas ao longo da rodovia BR-163, conhecida como Cuiabá-Santarém.



A área de influência de Novo Progresso responde por cerca de 70% de todo o desmatamento no Pará. Dos 42,9 mil hectares de alertas de desmates no estado, sinalizados pelo sistema Deter entre agosto de 2012 e abril de 2013, mais de 30,1 mil hectares de florestas foram destruídos nessa região.

"Grande parte dos alertas de desmates está surgindo nestes distritos por conta da especulação em terras públicas. Esse crescimento exigiu mais logística para a apreensão e retirada de bens utilizados nos crimes contra o meio ambiente. Esperamos aumentar as apreensões e descapitalizar os infratores", explicou o chefe da fiscalização do Ibama no Pará, Paulo Maués.

Além da segurança, o Exército vai apoiar o Ibama na retirada dos equipamentos apreendidos nas fiscalizações. Os militares enviarão à BR-163 máquinas e equipamentos para reforçar a logística de retirada de tratores, caminhões, retroescavadeiras hidráulicas usadas em garimpos ilegais e para retirar madeira irregular.

Fonte: G1 PA

Nenhum comentário:

Postar um comentário