Ministério Público pede anulação de concurso da PC

1O Ministério Público do Estado do Pará (MPE) quer a anulação dos concursos públicos da Polícia Civil C-169 e C-170, para os cargos de delegado, investigador e escrivão. Uma ação civil pública foi ajuizada pela 8ª promotora de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e da Moralidade Administrativa, Elaine Carvalho Castelo Branco, com pedido de liminar contra o Estado do Pará e a Universidade do Estado do Pará (Uepa Concursos).

De acordo com o MPE, ação pede a anulação por terem sido constatadas “graves irregularidades no andamento da seleção”, como a não restrição ao uso de celulares com acesso à internet, à utilização de relógios digitais dentro da sala de realização das provas, além da ocorrência de conversas paralelas entre os candidatos.
Outro ponto destacado pelo Ministério Público é de que não houve a exigência de apresentação de qualquer documento de identificação dos candidatos em muitos locais. Foi constatada também a falta de fiscais nos banheiros, o que permitiu diálogos ao celular sobre a prova nesses ambientes, de acordo com relatos de algumas testemunhas.
A ação aponta ainda que vários delegados de polícia estavam presentes como fiscais, mesmo tendo parentes fazendo provas, representando irregularidade nos princípios da isonomia e moralidade administrativa.
No primeiro semestre deste ano o MPE fez recomendações à Secretaria do Estado de Administração (Sead) e Delegacia Geral da Polícia, um delas com o mesmo pedido de anulação do concurso público.  “Surpreendentemente, entendendo que não havia tido falhas no concurso, a secretária geral da Sead, Alice Viana Soares Monteiro, entendeu por bem dar continuidade ao certame mesmo ciente da recomendação em contrário, limitando-se a afirmar que a realização do concurso supramencionado ocorreu de acordo com as normas editalícias, daí a necessidade do ajuizamento da presente Ação Civil Pública para a anulação das provas do concurso público”, justificou a promotora Elaine Castelo Branco.
Os três concursos, que integram o mesmo processo seletivo, somam 25 mil inscritos, na disputa das 250 vagas para o cargo de investigador, 250 para escrivão, 20 para papiloscopista e 150 para delegado. As provas foram realizadas em vários municípios do Estado, como Marabá e Redenção.
A seleção atual está nas fases finais e divulgou, há cerca de dez dias, o resultado provisório da 5ª subfase da 1ª etapa. O concurso da Polícia Civil realizado em 2009 para os mesmos cargos, inclusive com nomeação e posse de candidatos, foi anulado em razão de fraudes ocorridas.
Fonte: DOL

0 comentários:

Postar um comentário