sexta-feira, 25 de abril de 2014

'Estamos indignados', diz família de passageira de bimotor sobre resgate

família da passageira Raimunda Lúcia (Foto: Reprodução/TV Tapajós)Eliana quer informação que comprove situação de
passageiros (Foto: Reprodução/TV Tapajós)
As famílias dos passageiros do bimotor, que foi localizado próximo ao município deJacareacanga, sudoeste do Pará, ainda aguardam informação oficial sobre as vítimas do acidente. A sobrinha da passageira Raimunda Costa, Eliana Alencar, reclama da demora na operação de resgate. Ela diz que até o final da manhã desta quinta-feira (24), não havia informações concretas sobre o resgate dos passageiros. “Estamos indignados, o avião foi encontrado na terça-feira [22] de tarde e até agora não temos um posicionamento oficial. Estou sentindo um descaso com a situação.
O meu sentimento é de indignação, mas estamos aguardando. Sabemos da dificuldade de acesso ao local, mas o tempo está passando e nós, como família, queremos ver, queremos saber”, diz Eliana.
A irmã de Raimunda faz parte da comitiva de familiares que saiu de Santarém, na manhã de quarta-feira (23), para a região onde o avião foi encontrado. Ela ressalta que entende a dificuldade de acesso ao local onde a aeronave foi encontrada, mas quer uma informação oficial, que comprove a situação sobre os passageiros do bimotor. "Não recebemos nenhuma informação oficial. Falam somente por alto que não tem sobreviventes, mas ainda não falaram dos corpos".
O resgate do bimotor Beechcraft Baron, que caiu a cerca de 20km de Jacareacanga, iniciou nesta quinta-feira, após o local da queda ser periciado por técnicos do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa). Duas equipes da FAB, uma de investigação de acidentes e outra de salvamento estão em Jacareacanga. A previsão dos militares é que o trabalho de remoção seja demorado e difícil.
O avião bimotor Beechcraf Baron, desaparecido desde o dia 18 de março, foi encontrado no final da tarde de terça-feira, por um garimpeiro, próximo ao município de Jacareacanga.Eliana relata que o filho da técnica em enfermagem pergunta pela mãe todos os dias. “A Raimunda passava 20 dias em Jacareacanga e 10 dias aqui, mesmo sendo uma criança, mas parece que ele sente. Ele pergunta muito pela mãe: ‘Cadê minha mãe? Ela já vai chegar?’. É como se ele estivesse sentido que esse era o momento em que ela já estaria de volta, aqui com ele. Ele não consegue entender direito a situação".
Entenda o caso
A aeronave decolou de Itaituba às 11h40 do dia 18 de março e sumiu 1h20 depois de o piloto ter feito o último contato pelo rádio. Segundo a passageira Rayline, que conseguiu mandar um SMS para um tio antes de o avião desaparecer, um dos motores teria falhado.

Desde então, a FAB vasculhava a área. Além da busca aérea, a operação contou com a participação de voluntários, entre moradores de Jacareacanga, funcionários do Distrito Sanitário Indígena e integrantes da tribo Munduruku.

Nenhum comentário:

Postar um comentário