sábado, 5 de abril de 2014

Famílias pedem doações para auxiliar na busca de avião desaparecido

Cláudia Aguiar, irmã da passageira Luciney Aguiar (Foto: Luana Leão/G1)Família de Luciney ainda tem esperança: 'precisamos
do apoio dos voluntários que seguem pela mata',
disse irmã, Cláudia Aguiar (Foto: Luana Leão/G1)
Os familiares das três técnicas de enfermagem que estavam no bimotor Beechcraf Baron desaparecido no dia 18 de março, quando seguia de Itaituba para Jacareacanga, oeste do Pará, pedem doações em dinheiro, alimentos, botas, facões e material para auxiliar nas buscas que serão feitas por voluntários na floresta amazônica.
A mobilização para arrecadação iniciou na sexta-feira (3), após a aeronave de resgate ter sido dispensada pela Força Aérea Brasileira (FAB). Mesmo com o retorno do helicóptero Black Hawk a Jacareacanga na sexta-feira (4), os familiares das vítimas, que residem em Santarém, garantem que a coleta de mantimentos e equipamentos permanece. "São cerca de 300 voluntários que vão entrar na mata lá nas redondezas de Jacareacanga. Eles precisam de alimentos, precisam estar equipados para entrar, porque é perigoso", explica o tio de uma das passageiras, Rubélio Santos.

Além das técnicas de enfermagem Rayline Sabrina Brito Campos, Luciney Aguiar de Sousa e Raimunda Lúcia da Silva Costa, também estavam a bordo o motorista Ari Lima e o piloto Luiz Feltrin.
Infográfico avião desaparecido jacareacanga (Foto: Andressa Azevedo/G1)
A professora Cláudia Aguiar, irmã de Luciney, contou ao G1 que o Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) enviou um ofício de solicitação de apoio às buscas para as famílias das três técnicas de enfermagem. O documento descreve o que deve ser arrecadado para que os voluntários entrem na mata. A lista pede que sejam enviados a Jacareacanga alimentos como feijão, café, açúcar, arroz, farinha, enlatados, e equipamentos como botas de tamanho 39 a 42, facões grandes para cortar a mata, fogos de artifício, lanternas e velas. Algumas famílias também estão arrecadando dinheiro para comprar os mantimentos.
Em Santarém, foram definidos três pontos de coleta: Avenida Professor Carvalho, número 470; farmácia Primavera da Avenida Mendonça Furtado, esquina com Travessa 7 de setembro e Avenida Presidente Vargas, 2236.
Quem tiver interesse em doar, deve entrar em contato com os familiares de Rayline Campos pelo celular (93) 9123-1821, e de Luciney de Aguiar através do (93) 9140-2023. Os familiares da técnica de enfermagem Raimunda Costa estão fazendo arrecadações em lojas do centro comercial de Santarém.
Segundo a irmã de Luciney, todo material arrecadado será enviado no final do dia para Jacareacanga, município onde estão os voluntários.

Nenhum comentário:

Postar um comentário