sábado, 5 de abril de 2014

Jatene vai tentar reeleição sem sair do cargo


Não foram poucas as vezes em que o atual governador do Estado, Simão Jatene (PSDB), foi à imprensa para dizer a quem quisesse ouvir que não lhe soava ética a ideia de concorrer a um novo mandato de governador enquanto o mandato anterior ainda estava em curso - mesmo não sendo obrigado pela legislação eleitoral brasileira a fazê-lo. Durante a mensagem de abertura dos trabalhos na Assembleia Legislativa, em fevereiro desse ano, o tucano chegou a dizer que deixaria o governo até 8 de abril, sem adiantar para qual posto se candidataria para as eleições de 2014. 

Mas, como entre o discurso e a prática existe uma larga diferença, o presidente do PSDB-PA, Flexa Ribeiro, afirmou ontem, por telefone, que Simão Jatene não se desincompatibilizará do cargo e que é, sim, pré-candidato a reeleição esse ano. A convenção estadual da sigla, momento em que as candidaturas tucanas serão anunciadas oficialmente, acontece no fim de junho.
A Justiça Eleitoral informa que magistrados, secretários estaduais e ministros de Estado que pretendem concorrer nas Eleições Gerais de 2014 devem deixar as suas funções até o dia 5 de abril, ou seja, hoje, a exatos seis meses do pleito de outubro. 
Caso contrário, serão considerados inelegíveis, de acordo com a Lei Complementar nº 64/1990 (Lei de Inelegibilidades). O governador de Estado que pleiteia cargo de deputado federal, estadual ou distrital, senador ou presidente do país também deve se desincompatibilizar da atual função até a mesma data - exceto se for disputar a reeleição, como deve ser o caso de Jatene, que pode, dentro desse contexto, deixar o cargo a qualquer momento sem que isso atrapalhe sua corrida eleitoral. 
“Esse é o entendimento do partido. Na verdade, a única pessoa que pensava dessa forma, que tinha vontade de se desincompatibilizar para concorrer, era o próprio Jatene”, garante. “A lei permite que ele concorra à reeleição estando no cargo, e isso é o que ele fará”. O senador não acredita que a decisão macule a imagem de Jatene, tampouco credita ao complicadíssimo momento político que o governador atravessa no 
Estado.

APOIO “VELADO”

O ex-secretário de Estado, Sidney Rosa, atuou de forma semelhante há alguns meses: deixou o governo, deixou até mesmo o PSDB e se filiou, a tempo de participar das eleições, ao PSB. Retomou seu cargo na Assembleia Legislativa, onde foi eleito deputado em 2010, e deve ser anunciado, nos próximos meses, candidato ao Senado pelo PSB - com apoio “velado” de Jatene.
(Diário do Pará)

Nenhum comentário:

Postar um comentário