segunda-feira, 14 de abril de 2014

Odebrecht faz contagem de tráfego para lance no trecho Sinop-Itaituba

Odebrecht faz contagem de tráfego para lance no trecho Sinop-Itaituba
 A Odebrecht Transport S/A está fazendo contagem de tráfego na BR-163, entre Sinop e o distrito de Miritituba, em Itaituba (PA), provavelmente para se municiar de dados e elaborar proposta para vencer o edital de concessão dos 976 quilômetros do trecho, que o governo federal vai repassar à iniciativa privada em 2014.
 
De acordo com uma fonte de Agro Olhar na região de Novo Progresso, no Sul do Pará, funcionários da empresa estão há vários dias contabilizando os veículos que trafegam nos dois sentidos da rodovia. “Eles ficam com as pranchetas, em barracas montadas à beira da estrada, anotando quantas carretas passam durante dia e noite”, disse a fonte.
 
 
O empresário que relatou o fato à reportagem possui uma empresa na região e disse que os funcionários da Odebrecht fizeram a contagem em vários trechos da rodovia federal, dando a entender que a empreiteira quer saber quantos veículos passarão em cada praça de pedágio. Conforme o edital, haverá um pedágio a cada 100 quilômetros.
 
 
De acordo com o Ministério dos Transportes, o prazo de concessão será de 30 anos e a empresa que vencer o certame terá que investir cerca de R$ 6 bilhões no período. A estimativa do governo federal é que no início da duplicação sejam escoados pela nova rota cerca de 4 milhões de toneladas de grãos por ano, podendo chegar a 10 mi/t no fim da duplicação (em 5 anos) e até 26 mi/t no fim da concessão.
 
 
A Odebrecht Transport foi a vencedora da concessão do trecho de 850 km da BR-163 ente a divisa de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, até o município de Sinop. O certame foi realizado no ano passado e a empresa ofertou pedágio de R$ 0,02638 por quilômetro rodado – o que dá média de R$ 2,63 a cada 100 km.
 
 
Caso chegue a vencer também o trecho entre Sinop e Itaituba, a empresa ficará responsável por duplicar e administrar cerca de 1.8 mil km da rodovia federal que serve de principal rota de escoamento da produção agrícola de Mato Grosso. 
 
Estima-se que, entre Sinop e Rondonópolis, trafeguem mais de 10 mil carretas por dia no pico da safra. Fontes do setor agrícola também afirmam que, assim que a rodovia estiver totalmente duplicada e os portos de Miritituba em pleno funcionamento, esse fluxo poderá se inverter quase em sua totalidade, já que a soja e o milho produzidos no médio-norte mato-grossense serão exportados pelos portos do Norte, já que o frete será cerca de 30% mais barato.
fonte: cenarioMT

Nenhum comentário:

Postar um comentário