No município de Itaituba, no Oeste do Pará, acontece cada episódio político bizarro que confundiria até a cabeça de Freud. O único profissional habilitado para fazer controle e fiscalização de saída e chegada de barcos, Mauro Gaspar, foi transferido sem qualquer explicação lógica para fiscalizar o terminal Rodoviário de Miritituba (que nem existe de fato).
Quando está do outro lado o celular do Mauro fica abarrotado de chamadas em vão, já que ele não pode mais fiscalizar no porto de Itaituba. Só do lado de Miritituba. A ARCON, que aqui esteve em Itaituba só para levar na conversa os vereadores e as demais entidades de classes presentes em uma audiência fajuta, não cumpriu nenhum dos termos acordados, demonstrando total desrespeito e irresponsabilidade.
No trecho Itaituba/Santarém/Itaituba, dentro do Consórcio que monopoliza o transporte marítimo, só existem três embarcações legalizadas, dentre elas o Barco Motor Natureza, de Sebastião Lima, que sofre com concorrência desleal.