A policia civil pediu a justiça mais 30 dias para entregar o inquérito que apura o triplo assassinato  que vitimou a procuradora do município Leda Marta, a filha e a secretária da advogada, crime ocorrido no dia 22 mês passado em Itaituba. A policia também irá solicitar a prorrogação da prisão do advogado Altair dos santos, suspeito de ser mandante do crime. Os 30 dias inciais para apuração da policia mediante inquérito encerram nesta sexta-feira.  
 O triplo assassinato que vitimou as duas mulheres e a criança ainda não tem justificativas oficiais, apenas suspeitas baseadas nas investigações sigilosas da policia civil. Foi com base nesta apuração que a prisão temporária de Altair dos Santos foi requisitada a justiça. O ex marido da advogada Leda Marta continua preso a espera da conclusão das investigações. Altair está no alojamento feminino do 15º BPM sob a vigilância de policiais militares e agentes penitenciários. Ele chegou a pedir liberdade condicional a justiça, mas teve sua solicitação negada pelo tribunal de justiça do estado. A policia civil pediu ao judiciário à prorrogação da prisão temporária de Altair  alegando a necessidade de um prazo maior para a conclusão das investigações. 

 Foi com uma arma calibre 28 que Andréia Jingles matou o marido. O homicídio aconteceu no domingo(16) em um garimpo que pertence ao distrito do Crepurizinho. De acordo com informações da policia militar a mulher de 25 anos, no momento da ocorrência, afirmava que o marido tinha sido vitima de assalto mas depois confessou o crime.
 Andréia diz que matou o marido por que estava sendo ameaçada. De acordo com ela o homem era ciumento e por varias vezes lhe agredia fisicamente.  A versão de Andréia foi contestada pelo filho da vitima, que testemunhou na delegacia e pediu providencias para o caso.
 Andreia desferiu um tiro na cabeça do marido enquanto ele estava na rede do casal. O delegado responsável pelo caso disse que Andréia ficara presa devido o flagrante e que uma possível atenuante por causa das agressões que sofria  será decida pelo juiz da comarca.


Trav. J. Chermonte
 Ainda é mês de março e águas do Tapajós avançam pela cidade causando sérios prejuízos a população, especialmente aqueles que moram as margens do rio e nas áreas baixas de Itaituba. A cada dia que passa a apreensão aumenta para quem mora em locais de risco. Nas áreas baixas da cidade ou próximas ao rio tapajós centenas de pessoas estão ameaçadas pelo avanço da água. Muitas já deixaram suas casas, outras insistem em permanecer convivendo com o perigo. A subida repentina do rio pegou muita gente de
Vila Caçula
surpresa e as famílias estão pedindo auxilio a defesa civil para retirar seus pertences. O município esta buscando mecanismos para prestar socorro a quem precisa.
São varias ruas alagadas. A situação mais precária está no bairro vila caçula, mas a inundação atingiu também a cidade baixa, as travessas 15 de agosto, nova de Santana, são José e outras ruas da cidade. A maioria dos prejudicados decidiu ir para casa de amigos ou parentes, e quem não tem este recurso foi para abrigos improvisados pela defesa civil como o
Beira Rio 
Rotary clube. Outra situação preocupante é isolamento de alguns bairros. O lago bom jardim transbordou, o asfalto está se deteriorando, os carros passam com dificuldades e os moradores temem o isolamento. Na rodovia a situação não é diferente, no km 58 a água do rio ultrapassou a ponte, e a travessia de veículos está comprometida. A defesa civil diz acredita que as próximas chuvas a situação ser agravada por isso esta trabalhando em parceria com outros órgãos e instituição afim socorrer os prejudicados.