sábado, 31 de janeiro de 2015

Casal acusado de enterrar recém-nascido já está em liberdade

Já está em liberdade o casal Ana Cláudia e Daniel dos Santos, acusados de enterrar o corpo de uma criança no último final de semana. O delegado que preside o inquérito afirmou que a prisão do casal estava ilegal.
Retrospecto – Ana Cláudia Delmonte e Daniel dos Santos Pereira foram presos na noite de terça-feira acusados, primeiramente, de infanticídio e ocultação de cadáver. Três dias antes, o casal esteve em um motel na 30ª Rua, onde a mulher, que estava grávida, entrou em trabalho de parto e deu à luz uma criança, que morreu em seguida. Provavelmente, na tentativa de se livrar de uma eventual prova de adultério, Daniel teria enterrado o corpo em um amontoado de areia em frente a uma oficina. O corpo foi encontrado por um morador na manhã seguinte.
Depois de seguir várias informações, a Polícia Militar conseguiu localizar Ana Cláudia em uma casa noturna na travessa 13 de Maio. A jovem confessou ser a mãe da criança e delatou Daniel, que foi preso na casa dele, no residencial Viva Itaituba. O caso comoveu e, ao mesmo tempo, revoltou a opinião pública. Ana Cláudia, por exemplo, por pouco não foi vítima da fúria popular, já que havia um grupo de mulheres que planejava fazer justiça com as próprias mãos. Mas isso atrapalharia todo o processo. Ana Cláudia e Daniel foram detidos e apresentados ao plantão da Seccional de Polícia.
O casal passou menos de vinte e quatro horas preso e foi liberado às 21h30 de quarta-feira (27). Essa informação reacendeu a chama da revolta em boa parte da população, que faz a sua própria avaliação do caso e condena a atitude da polícia. Por outro lado, existem dispositivos legais que impedem a manutenção da prisão do casal, que foi preso fora da situação de flagrante.

Segundo o delegado José Dias Bezerra, que preside o inquérito, na conclusão da primeira fase das investigações, ficou definido que houve negligência e omissão por parte do casal. A criança não recebeu os devidos cuidados ao nascer; deveria ter sido encaminhada a uma unidade de cuidados intermediários, ou um centro de atenção neo-natal. Mas houve duas situações. Primeiro, Ana Cláudia incorreu em homicídio culposo (quando não há intenção de matar). Daniel, por sua vez, incorreu no crime de ocultação de cadáver. Ambos podem responder em liberdade, o que não significa impunidade. Eles serão submetidos a julgamento, e, caso sejam condenados, poderão pegar penas variáveis. No caso de Daniel, a pena vai de um a três anos de prisão.
do blog tapajos em foco 

Nenhum comentário:

Postar um comentário