quinta-feira, 12 de março de 2015

MP quer maior desmatador da Amazônia sem regalias na prisão


O Ministério Público Federal e o Ministério Público do Estado do Pará pediram à justiça estadual e à Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) o fim dos privilégios concedidos a Ezequiel Antônio Castanha no presídio de Itaituba, sudoeste do Pará. Ezequiel é considerado o maior desmatador da Amazônia.
Durante vistoria na manhã desta terça-feira (10), o MP constatou uma série de privilégios ao detento não autorizados pela justiça. A promotora Juliana de Pinho Palmeira identificou regalias como aparelho de ginástica, cafeteira, placa de internet, frigobar e impressora dentro da cela de Castanha. Segundo o MP, o único equipamento liberado pela justiça é um notebook. A vistoria foi acompanhada pela procuradora da república Janaina Andrade de Sousa. 

Ezequiel Castanha foi preso no dia 21 de fevereiro pela Polícia Federal sob acusação de grilagem de terras e crime ambiental em Novo Progresso. O maior desmatador da Amazônia é acusado de fazer parte de uma organização criminosa especializada em invadir terras públicas, desmatar e incendiar áreas para formação de pasto e posterior venda das terras como fazendas. O dano ambiental comprovado ultrapassa R$ 500 milhões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário