terça-feira, 18 de agosto de 2015

PF prende acusados de fraude em concurso da UFPA


Fraude no concurso da UFPADuas pessoas foram presas em flagrante pela Polícia Federal (PF), na manhã de domingo, acusadas de fraude no concurso público da Universidade Federal do Pará (UFPA). O primeiro preso é técnico do Banco Central (BC), acusado de se inscrever em vários concursos da UFPA que oferecem salários inferiores ao que ele tem apenas para vender o gabarito a candidatos. Também foi presa uma candidata que foi flagrada com ponto eletrônico de transmissão auricular. A fiação do aparelho minúsculo ficava sob o vestido da candidata. Conectada a um telefone celular, a fiação possibilitava a transmissão das informações da prova.
Os dois estavam sendo monitorados. De acordo com o delegado Diego Almeida, os candidatos pagariam entre R$ 10 e 15 mil pelo gabarito da prova. Os acusados não foram apresentados à imprensa nem tiveram os nomes revelados pela PF.
Uma lista contendo quatro nomes de candidatos, entre eles, o da candidata que foi presa, foi apreendida em poder do técnico do BC. O acusado se manteve no interior de um carro a poucas quadras do Núcleo Pedagógico Integrado (NPI), na avenida Perimetral, no bairro da Terra Firme, onde tinha acabado de fazer a prova do concurso. Ele finalizou a prova cedo e, de acordo com a polícia, provavelmente se preparava para repassar o gabarito por telefone. No veículo foram apreendidos notebook, HD externo, celular com mensagens trocadas com a candidata identificada e o gabarito da prova. Na companhia do acusado estava outro técnico do Banco Central, que foi liberado pela polícia, mas também será investigado no inquérito, por suspeita de fraude em concurso público.
A candidata presa fez prova na Escola Estadual Visconde de Souza Franco, na avenida Almirante Barroso, no bairro do Marco. Ela foi abordada pela polícia e revistada logo após concluir a prova, por volta das 11h30. Tanto os técnicos do BC quanto a candidata presa estavam inscritos para o cargo de assistente administrativo da UFPA, cuja remuneração é de R$ 2.175,17. Os candidatos fizeram prova objetiva e de redação para o preenchimento de 156 vagas de técnico-administrativo, onde se incluem os assistentes administrativos de nível D.
Concursos anteriores também estão sob investigação
Os outros três candidatos que estavam com o nome na lista apreendida com o técnico do BC também serão investigados, por suspeita de compra do gabarito. A investigação também busca identificar os funcionários da UFPA que compraram o gabarito do funcionário do BC em concursos anteriores. Eles poderão responder processo administrativo para a perda dos cargos. “A gente já sabe que teve candidato que passou no concurso através dele e estamos apurando”, disse o delegado Diego Almeida. Estão sendo verificadas as possíveis fraudes ocorridas nos concursos da UFPA desde 2011, quando a fraude em prova de concurso passou a ser crime.
O delegado Daniel Almeida, que coordenou a operação, disse que a suspeita sobre o primeiro funcionário do BC surgiu entre os organizadores do concurso da UFPA. Eles perceberam que o técnico vinha se inscrevendo em vários concursos da UFPA com salários inferiores ao que ele recebe no banco, de aproximadamente R$ 8 mil, mas nunca era aprovado. “Ele sempre acertava no caderno de questões, mas errava no gabarito, mas entregava o cartão resposta todo errado. Ficamos monitorando ele e identificamos que estava conversando com essa candidata, que acabou sendo presa. Ficamos monitorando os dois durante toda a prova. Colocamos até policiais como fiscais de prova”.
Em depoimento, o funcionário do BC preso alegou que fazia as provas de concurso somente para praticar e negou que estivesse vendendo gabaritos. Já a candidata não quis prestar depoimento, alegando que somente falará na presença do juiz e do advogado. Os dois foram recolhidos ao sistema penitenciário do Estado.
Fonte: O Libera
l

Nenhum comentário:

Postar um comentário