quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Aveiro: Pesquisadores da Ufopa descobrem nova espécie de peixe na Flona Tapajós

Exemplar do Brynocops munduruku. Foto Silva-Oliveira, Canto e Ribeiro, 2015.
Exemplar do Brynocops munduruku. Foto Silva-Oliveira, Canto e Ribeiro, 2015.
Professores da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) descobriram uma nova espécie de peixe, denominada Bryconops munduruku, em um igarapé situado na Floresta Nacional do Tapajós. De pequeno porte, a nova espécie foi encontrada no igarapé Açu, pertencente à bacia do rio Tapajós, próximo ao município de Aveiro (PA). A descoberta foi publicada, por meio de artigo científico, na edição de maio do jornal internacional Zootaxa, publicação referência em taxonomia animal.

A descoberta é resultante da pesquisa realizada pelo biólogo Cárlison Silva de Oliveira, egresso do Programa de Pós-Graduação em Recursos Aquáticos Continentais Amazônicos (PPG-RACAM) da Ufopa, para sua dissertação de mestrado, intitulada “O estudo da ictiofauna em igarapés nos sistemas de drenagem na Floresta Nacional do Tapajós”.
Defendida em 2014, a dissertação contou com a orientação do professor Frank Raynner Ribeiro e coorientação do docente André Luiz Canto, ambos vinculados ao Instituto de Ciências e Tecnologia das Águas (ICTA). A descrição taxonômica da nova espécie – que pode ser endêmica da bacia do rio Tapajós – foi realizada em conjunto pelos três pesquisadores.
Segundo Cárlison Oliveira, o nome da espécie faz alusão aos indígenas da etnia Munduruku, que se estabeleceram na margem direita do rio Tapajós e deram origem ao município de Aveiro. “É uma espécie de pequeno porte, encontrada até agora em apenas um igarapé que drena para o rio Tapajós”, explica. “O maior indivíduo encontrado mediu 9,5 cm”.
O pesquisador explica que a dissertação de mestrado não focou apenas na parte taxonômica, mas também na ecologia dos igarapés. “A proposta inicial era realizar um levantamento da ictiofauna nos igarapés da Flona Tapajós, já que não existia nenhum tipo de estudo sobre a ictiofauna e sim de outros grupos de flora e fauna, que não contemplavam os peixes”.
As coletas realizadas nos igarapés da Flona Tapajós também permitiram a descoberta de outras novas espécies de peixes, que serão descritas futuramente. “Fizemos coletas em 22 igarapés, interligados às bacias dos rios Tapajós, Curuá-Una e Cupari. São três sistemas de drenagem diferentes”, explica. No levantamento realizado pelos pesquisadores da Ufopa foram identificadas 117 espécies de peixes. “É o maior registro que se tem para um estudo em igarapés na região. Isso mostra a alta diversidade de espécies de peixes em igarapés situados em uma unidade de conservação”.
Fonte: RG 15/O Impacto e Maria Lúcia Morais/Ufopa

Nenhum comentário:

Postar um comentário