(Foto: Bruno Carachesti)-Dados atualizados da Secretaria Estadual de Saúde do Pará (Sespa) revelam que em 2014 foram registradas em todo o Estado 613 mortes de pessoas que viviam com Aids. O número de vítimas em relação a 2013 subiu para 15 casos de óbitos associados à doença. No ano passado, o número de pessoas no Pará com o vírus HIV foi de 1.384, tornando-o o sétimo estado brasileiro com o maior número de casos confirmados. São números que impressionam e reforçam a importância da conscientização neste Dia Mundial de Luta Contra a Aids, comemorado hoje.

Os municípios em que mais são registrados óbitos estão Belém, Ananindeua e Santarém. No ano passado, na capital houve 229 mortes, contra 225 em 2013. Para a coordenadora estadual de DST/Aids, Deborah Crespo, atualmente, os jovens são os mais atingidos pela doença, sendo o contato sexual a principal forma de transmissão. E para atingir este público, o lançamento da programação acontece no Cine Olympia, na avenida Presidente Vargas, bairro da Campina, em Belém, com o concurso de jingle (mensagem publicitária), entre os estudantes da rede pública ou privada da região metropolitana com faixa etária de 13 a 29 anos. “Queremos que os jovens sejam agentes multiplicadores.”, explicou Crespo.
Presidente da ONG, Jair Santos
Presidente da ONG, Jair Santos
Seguindo a programação, nos dias 2,3 e 4 deste mês, várias palestras sobre o assunto serão feitas nos Tribunais de Justiça de Belém, Santarém, Parauapebas e Marabá. Encerrando a campanha publicitária, de 9h às 12h do dia 14, ONGs, entidades de classes, órgãos governamentais e da justiça, farão um debate com a formação de duas mesas redondas falando sobre o uso de álcool e de mudanças de gênero, no Fórum Cível de Belém, ato que será aberto ao público.
AJUDA
Há 24 anos atendendo homens, mulheres e crianças que vivem com vírus do HIV, a organização não governamental (ONG) Paravidda, atende 1.500 pacientes cadastrados como soropositivos de todo o Pará. A casa, com sede em Belém faz atendimentos diários, recebe doações de voluntários, da iniciativa privada e do Estado para se manter. Porém, esses donativos não têm sido suficientes para dar continuidade ao trabalho que é feito. De acordo com o presidente da ONG, Jair Santos, há necessidade de alimentos, material de higiene, de limpeza, de almoxarifado e roupas. “Hoje estamos precisando de ajuda, pois temos que ter 100 pratos de comida por dia”, afirmou. A instituição recebe pacientes e seus familiares dos 144 municípios do Pará e disponibiliza 16 leitos para pessoas que aguardam consultas ou atendimentos nos hospitais públicos.
O Dia Mundial de Luta Contra a Aids é celebrado no dia 1º de dezembro em todo o mundo desde 1987, sendo que, no Brasil, a data passou a ser comemorada a partir de 1988, por decisão do Ministério da Saúde.
(Roberta Paraense/Diário do Pará)