quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Especialistas em impactos de hidrelétricas participarão de audiência


Com mensagem gigante, Greenpeace e índios Munduruku protestam contra a construção do Complexo Hidrelétrico do Tapajós, no oeste do Pará (Foto: Marizilda Cruppe/Greenpeace)
Com mensagem gigante, Greenpeace e índios
Munduruku protestam contra a construção do
Complexo Hidrelétrico do Tapajós, no oeste do Pará
{(Foto: Marizilda Cruppe/Greenpeace)
Diversos especialistas vão participar da audiência pública promovida pelo Ministério Público Federal do Pará (MPF), para discutir sobre irregularidades e possíveis impactos da hidrelétrica de São Luiz do Tapajós. O evento ocorrerá na sexta-feira (29) em Santarém, no oeste do Pará.

O órgão convidou especialistas que realizaram estudos como aquecimento global, e inclusão das hidrelétricas na região oeste do Pará, dentre outros.

Um dos convidados é o doutor em ciência biológicas, Philip Martin Fearnside, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), e um dos ganhadores do Prêmio Nobel da Paz em 2007, com outros cientistas do Painel Intergovernamental para Mudanças Climáticas (IPCC), que alertavam sobre os riscos do aquecimento global.

Fearnside é autor do estudo "Hidrelétricas na Amazônia: Impactos Ambientais e Sociais na Tomada de Decisões sobre Grandes Obras", e integrante do grupo de especialistas que em 2015 publicou uma avaliação crítica do Estudo de Impacto Ambiental e do Relatório de Impacto Sobre o Meio Ambiente (EIA/Rima) do aproveitamento hidrelétrico São Luiz do Tapajós.

Outra convidada é a doutora em Conservação dos Recursos Florestais, Ane Auxiliadora Costa Alencar. A pesquisadora é uma das realizadoras de estudo do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) sobre a projeções para o desmatamento no oeste do Estado caso sejam construídas as hidrelétricas previstas pelo governo federal para a região.

Rio Tapajós (Foto: Joab Ferreira/G1)
Está previsto a construção de hidrelétricas no
Rio Tapajós (Foto: Joab Ferreira)
De acordo com o órgão, o coordenador adjunto do Programa Xingu do Instituto Socioambiental (ISA), o engenheiro de produção Marcelo Salazar, vai relatar os resultados de pesquisas feitas pelo instituto na área de hidrelétrica de Belo Monte, em Altamira. Ainda segundo o MPF, os resultados dos estudos “Dossiê Belo Monte” e “Atlas dos Impactos da UHE Belo Monte Sobre a Pesca” servirão de base para debater os aspectos similares entre os projetos de Belo Monte e São Luiz do Tapajós.


Ainda terá a presença de professores da Universidade de São Paulo (USP), da Universidade Federal do Pará (UFPA), da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) e o médico neurocirurgião Érik Leonardo Jennings Simões, de Santarém, abordará a possibilidade de aumento dos níveis do mercúrio em áreas de barragens e os riscos à saúde humana, bem como a inexistência da análise desse tema nos estudos de impactos ambientais da hidrelétrica de São Luiz do Tapajós.

O Ministério Público informou que na audiência serão apresentados dados do órgão sobre o andamento dos processos judiciais e investigações de irregularidades nos projetos das usinas de São Luiz do Tapajós e de Belo Monte. O MPF será representado no evento pelos procuradores da República Camões Boaventura e Thais Santi.


Local da audiência
A audiência acontecerá às 14h no auditório da Associação Comercial e Empresarial de Santarém (Aces), que fica na Praça da Bandeira, 565, no centro de Santarém. O público-alvo são todos os moradores da região oeste, bem como movimentos sociais, organizações indígenas e de povos tradicionais, universitários e órgãos públicos como o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), as prefeituras de Santarém, Belterra, Aveiro e Itaituba, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), entre outros
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário