quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Polícia Civil desarticula tentativa de fraude em concurso da Polícia Militar

A Polícia Civil do Pará desarticulou, na manhã de sábado (30), em Abaetetuba, nordeste do estado, um esquema que tentava fraudar o concurso da Polícia Militar que foi  realizado no doming (31), em Belém e em mais três cidades paraenses. A “Operação Cascata” cumpriu onze mandados de busca e apreensão em residências de candidatos inscritos no certame, entre eles, dois professores. Foram apreendidos celulares, pontos eletrônicos, um cartão que serviria para passar o gabarito e cerca de R$ 7 mil em dinheiro. Os suspeitos prestaram  depoimento na delegacia de Abaetetuba. A PM e a Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp) também integram a operação – a primeira no apoio técnico de inteligência e a segunda na organização do certame.

Segundo a Polícia Civil, uma das pessoas presas na operação  iria fazer a prova e depois repassaria o gabarito por meio de código de vibrações nos telefones celulares. O esquema foi descoberto durante investigações realizadas em conjunto pelo Núcleo de Inteligência e pela Superintendência da Polícia Civil de Abaetetuba, que deflagraram a operação.
Durante coletiva concedida no sábado à imprensa na sede da Delegacia Geral, em Belém, o delegado geral da Polícia Civil, Rilmar Firmino, ratificou que o concurso da PM seguiria normalmente no domingo, sem nenhum vazamento de prova ou de gabarito. “Em respeito a todas as pessoas que há meses vem se preparando para fazer esta prova, que abriram mão de suas vidas, de seus trabalhos e do tempo livre para estudar, nós estamos debelando toda e qualquer tentativa de fraude”, afirmou.
Organização – Mais de 600 policiais militares vão estar nas ruas durante a realização das provas do concurso neste domingo (31). Desde as seis da manhã, a Polícia Militar estará a postos com agentes de segurança, caracterizados e à paisana, distribuídos em vários pontos, para dar apoio à Polícia Civil no que for preciso.
“Qualquer denúncia pode feita pelos serviços 181 ou 190 e também nas delegacias. Tudo será centralizado e analisado pela Polícia Civil”, ressaltou o comandante geral da Polícia Militar, coronel Roberto Campos, que também participou da coletiva. No Centro Integrado de Operações (Ciop), em Belém, funcionará ainda um gabinete de gestão, que vai concentrar todas as informações acerca do concurso.
Além dos cuidados tomados pela Secretaria de Segurança Pública do Estado, a própria organizadora do concurso, a Fadesp, também se antecipou a eventuais problemas e adotou medidas de precaução que serão postas em prática durante a aplicação da prova. No domingo, os candidatos vão passar por detectores de metal, tanto na entrada quanto na saída das salas de aula e dos banheiros das instituições que sediarão o exame.
Além disso, todos os inscritos terão as impressões digitais coletadas no cartão resposta. “Em parceria com a Polícia Civil, vamos usar um sistema de varredura de frequência de chamada nas unidades de realização do concurso, para nos certificarmos das ligações e sinais que estão sendo realizados nas proximidades”, explicou o advogado da Fadesp, Danillo Araújo, que também esteve presente na coletiva.
A Fundação informou também que todas as provas já estão lacradas e em poder das Forças Armadas. “A operação de hoje vai servir de exemplo para aqueles que ainda estejam intentando burlar o concurso”, ressaltou Danilo.
Concurso –  Neste domingo (31), mais de 105 mil candidatos vão concorrer a uma das 2.194 vagas oferecidas pelo concurso da Polícia Militar do Pará. O certame oferece vagas para os cursos de Formação de Praças (CFP), Formação de Oficiais (CFO) e Adaptação de Oficiais (Cado). Desse total, duas mil são para a formação de praças, 160 para a formação de novos oficiais e 34 para o curso de Adaptação de Oficiais.
As provas de conhecimentos gerais serão aplicadas em 2.260 salas das cidades de Belém, Marabá, Santarém e Altamira. A capital do Estado soma o maior número de candidatos inscritos (58.919), seguida de Marabá (30.126), Santarém (30.126) e Altamira (3.618).
Pela manhã, em Belém, aproximadamente 50 mil candidatos farão as provas para os cursos Cado e CFP. O campus da universidade FAP-Estácio, no bairro do Umarizal, é o local com a maior quantidade de inscritos. À tarde, 9.204 candidatos vão disputar uma das vagas do CFO. O Campus Profissional da Universidade Federal do Pará (UFPA), no Guamá, é o que vai concentrar o maior número de candidatos.
Pela manhã, as provas começam às 8h e seguem até às 12h. À tarde, os exames do concurso acontecem das 14h30 às 18h30. Nenhum aluno vai poder levar o caderno de questões para casa. Os gabaritos poderão ser anotados no verso do comprovante de inscrição.
Remuneração – Os candidatos aprovados vão passar um ano no Curso de Formação de Praças e Oficiais da Polícia Militar. Durante o curso, o aluno soldado receberá a remuneração de R$ 788 e após a conclusão, passará a ganhar R$ 2.836,80. Já aluno oficial receberá R$ 1.005,71. Na condição de aspirante a oficial, ele permanecerá com o mesmo vencimento.
Durante e após a conclusão do Curso de Adaptação de Oficiais, o oficial aluno, da área da saúde, receberá remuneração de R$ 5.781,31. Todos os cargos somam ainda auxílio-alimentação mensal no valor de R$ 650 – durante e após a conclusão do curso.
O último concurso realizado pela PM aconteceu em 2012, quando foram ofertadas 2.180 vagas disputadas por cerca de 50 mil inscritos.
A Seead chama a atenção dos candidatos inscritos para que leiam o edital na íntegra e atentem para as seguintes recomendações:
– O candidato deve comparecer ao local das provas com antecedência mínima de 60 minutos do horário de início, portando comprovante de inscrição, documento de identificação original com foto e caneta esferográfica de corpo transparente, de tinta azul ou preta;
– São proibidos, durante as provas, qualquer tipo de comunicação entre os candidatos e o uso de máquinas calculadoras ou similares, livros, anotações, réguas de cálculo, impressos ou qualquer outro material de consulta, protetor auricular, lápis, borracha ou corretivo;
– Não é permitido ao candidato ingressar na sala de provas sem o devido recolhimento, com respectiva identificação, dos seguintes equipamentos: bip, telefone celular, walkman, agenda eletrônica, notebook, palmtop, iPod, iPad, tablet, smartphone, MP3, MP4, receptor, gravador, calculadora, câmera fotográfica, controle de alarme de carro e relógio de qualquer modelo. O descumprimento desta determinação implicará na eliminação do candidato, configurando-se tentativa de fraude. Para evitar qualquer situação neste sentido, o candidato deve evitar portar quaisquer equipamentos acima citados no local da prova;
– É proibido fazer prova portando arma. Caso o candidato leve arma no dia da prova de conhecimentos, deverá comunicar o fato à Fadesp, que providenciará o encaminhamento do candidato à Polícia Civil para que se faça o devido acautelamento, nos termos da legislação pertinente;
– É proibido ao candidato afastar-se da sala de aplicação das provas sem o devido acompanhamento do fiscal;
– O candidato só pode sair do local das provas duas horas após o início da etapa;
– O candidato não pode levar o Boletim de Questões. Ele será divulgado no site da Fadesp no dia seguinte às provas, juntamente com o gabarito preliminar.
(Com informações da Agencia Pará)

Nenhum comentário:

Postar um comentário