Alexandre Von, prefeito de Santarém
Alexandre Von, prefeito de Santarém
Em Assembleia Geral Extraordinária, realizada neste mês de março em Belém, a Associação dos Municípios das RodoviasTransamazônica, Santarém-Cuiabá e Região Oeste do Pará – AMUT, apreciou e acatou o pedido de renúncia do então presidente, prefeito Alexandre Von (Santarém) e da vice-presidente, prefeita Eliene Nunes (Itaituba). A renúncia atende a necessidade de desincompatibilização para estarem aptos a participar do processo eleitoral vindouro.
Indígenas protestaram contra hidrelétrica
Indígenas protestaram contra hidrelétrica
Índios reuniram-se na manhã desta segunda-feira (21) no rio Tapajós, considerado sagrado pelo povo, para pedir o fim da barragem no local. Com a faixa em português “Barre a barragem. Mantenha o rio Tapajós vivo” e outras em diversas línguas, protestaram contra a construção de barragens no rio que sustenta sua cultura e modo de vida, além de uma rica biodiversidade, informou o portal UOL.

Brasília - No dia 15 de fevereiro, no município de Itaituba, no Pará, a rodovia BR-163 foi bloqueada com caminhões e madeira por moradores, que pediam melhoras na instalação de energia elétrica na comunidade Moraes Almeida. Na Amazônia Legal, a falta de energia elétrica é frequente. Ela é causada, entre outros fatores, pela demora na conexão do sistema das distribuidoras ao das grandes linhas de transmissão em construção ou construídas recentemente. Diante das dificuldades financeiras das distribuidoras de energia elétrica da região, o governo prepara uma mudança para evitar que o problema continue a ocorrer.
Com forte impulso dos interesses da China, começa a sair do papel, no Brasil, uma série de projetos de transportes que deverão encurtar a rota entre a produção agrícola no interior do País e a Ásia, pelos portos da região Norte. Nos últimos meses, iniciativas em hidrovias, rodovias e ferrovias registraram avanço para a abertura da chamada saída Norte, ou Arco Norte, que poderá, segundo a Confederação Nacional da Agricultura (CNA), reduzir em mais de 30% o custo do frete da produção enviada ao exterior. 
A relatora especial da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre os direitos dos povos indígenas, Victoria Tauli-Corpuz, esteve reunida com o Ministério Público Federal (MPF) para tratar das irregularidades nas barragens que o governo brasileiro constrói e planeja nas bacias do Xingu e do Tapajós, dois dos principais afluentes do rio Amazonas. As irregularidades já detectadas em Belo Monte, para o MPF, dão um panorama do que pode ocorrer na usina São Luiz do Tapajós, começando pelo descumprimento sistemático da Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho e da Declaração da ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas.
No Xingu estão quase concluídas as obras da usina de Belo Monte e o MPF já ajuizou 25 ações apontando ilegalidades no projeto, que teve um custo socioambiental incalculável.