Indígenas do etnia Munduruku iniciam nesta quarta-feira (15) uma série de atividades pela defesa do território e pela proteção do rio Tapajós, que tem projetos para construção de hidrelétricas. Na primeira ação, os Munduruku irão instalar cerca de 50 placas nos limites da Terra Indígena Sawré Muybu, localizada em Itaituba, no sudoeste do Pará.
“Além de garantir a manutenção do modo de vida do povo Munduruku, a demarcação de Sawré Muybu garante a conservação de 178 mil hectares de floresta amazônica que hoje estão ameaçados pelos planos de construção da hidrelétrica de São Luiz do Tapajós”, afirma Danicley de Aguiar, ativista do Greenpeace.